O município de Belo Horizonte registrou em junho deste ano o maior saldo de empregos com a criação de 2.184 postos de trabalho, resultado da admissão de 34.535 trabalhadores e do desligamento de 32.351. Os dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, divulgados na última semana. Em segundo lugar no ranking está Rio Paranaíba (619), seguido por Nova Lima (436), Comendador Gomes (394) e Ipatinga (386).

Por setor de atividade econômica, segundo ranking divulgado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), em Belo Horizonte o segmento da construção civil foi o responsável por um saldo de 1.550 vagas no mês passado, seguido por alojamento e alimentação (386), atividades profissionais, científicas e técnicas (318), informação e comunicação (167) e serviços de saúde humana e sociais (104).

Na cidade de Rio Paranaíba, o carro-chefe na geração de postos de trabalho foi a agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com saldo de 596 vagas. Já o comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas teve saldo 8 empregos e a indústria de transformação, 5 vagas.

Também em Nova Lima, na Grande BH, a construção civil registrou o maior saldo de emprego (25), seguida por atividades profissionais, científicas e técnicas (42), serviços de saúde humana e sociais (41) e comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (20).

Em Comendador Gomes, a agricultura, pecuária, produção florestal e pesca e aquicultura tiveram o maior saldo de vagas (380). Já as atividades de administração e Serviços Complementares tiveram saldo de 7 vagas, enquanto no comércio ficou em 4.

A construção civil também puxou o saldo de geração de empregos em Ipatinga (121), seguida por Comércio, Reparação de Veículos Automotores e Motocicleta (84), Indústria de Transformação (58) e serviços de saúde humana e sociais (50).

Já os municípios que tiveram retração no saldo de emprego no período estão Paracatu (-1658), resultado de 1.013 contratações e -2.671 demissões, Nova serrana (-691), Patos de Minas (-463), Uberlândia (-358) e Cataguases (-216). Em seguida, vêm as cidades de Ubá (-202), Araxá (-153), Arcos (-135), Pirapora (-130) e Mariana (-122).